quarta-feira, 22 de junho de 2016

Blog do Tear em Defesa do SUS!

Estamos de volta, após período de paralisação das nossas atividades devido a greve dos funcionários públicos municipais de Campinas, retomamos nossos trabalhos no dia de hoje.
No dia de hoje começamos a conversar sobre a saúde mental ontem e hoje. 
Antigamente as pessoas não que sofriam ou que tinham transtornos mentais não recebiam das outras pessoas acolhimento. Muitas eram mal interpretadas e as pessoas ao seu redor não entendiam o que estava acontecendo com elas por falta de conhecimento, falta de sensibilidade ou por julgarem de forma equivocada que as pessoas com transtorno mental eram pessoas de pouca fé ou sem força de vontade.
Hoje em dia reconhecemos que as coisas mudaram muito por que antes as pessoas só tinham o hospital psiquiátrico para se tratar, na maioria das vezes elas eram internadas por qualquer motivo e isso não resolvia o problema. Hoje em dia existem serviços diferentes como os CAPS, os Centros de Convivência e os Centros de Saúde. Que acolhem de forma muito mais adequada as pessoas, porém, temos a preocupação que a infraestrutura dos serviços é insuficiente ou inadequada para o atendimento pleno da necessidade das pessoas em tratamento. 
Conversamos sobre como é importante durante o período de internação ou quando fica uma pessoa no leito dos CAPS ela ter acesso e direito a frequentar atividades terapêuticas. Porque o remédio e o repouso na internação não bastam. Vários membros da nossa equipe já passaram por internação ou pelo leito e disseram que sentiram falta de poder participar de outras atividades. Uma pessoa de nosso grupo conta que infelizmente quis fazer atividades, porém, o serviço estava com falta de materiais para fazer oficinas. Além disso a infraestrutura de muitos serviços de saúde mental de Campinas são muito degradadas e necessitam de reforma urgente. Sendo assim pensamos quais são os meios de mudarmos essa realidade?
Uma das pessoas de nosso grupo deu um exemplo muito inspirador para a gente contando a história de como ela e amigos conseguiram que a faculdade que eles estudam fizessem reforma no prédio para a   acessibilidade das pessoas que possuem algum tipo de deficiencia física.
Outro ponto que conversamos foi a necessidade de repor os profissionais que compõem as equipes de saúde. Sem esta reposição os serviços de saúde ficam precarizados e perdem sua qualidade. Assim é preciso organizar mobilizações sociais para demandar a reposição de profissionais, de materiais, a reforma dos equipamentos de saúde etc.Garantir boas condições de trabalho é responsabilidade dos governantes e, muitas vezes, eles não colocam  saúde, principalmente a saúde mental, como prioridade.
Todos do grupo estão preocupados com a ameaça que o SUS esta enfrentando  no atual governo. Enfatizamos a importância de participar das próximas atividades de mobilização em defesa do SUS, da Democracia e da Saúde Pública.
O ‪‎Conselho Nacional de Saúde em parceria com os Conselhos Estaduais e Municipais de Saúde lançaram a Campanha: São João e SUS são do povo! A iniciativa  visa fortalecer a luta pelo serviço público de saúde nos festejos juninos, tanto o SUS quanto São João são patrimônios do povo brasileiro!
No dia 06 de Julho vai acontecer a 2° Marcha em Defesa do SUS e da Democracia. A construção da segunda marcha será mais ambiciosa do que a primeira. Os representantes das instituições e movimentos do Conselho Nacional de Saúde decidiram ampliar o escopo das reivindicações, passando a incorporar, além da defesa do SUS, a defesa da Seguridade Social, que inclui os direitos sociais, a Previdência e da Assistência Social.