quarta-feira, 6 de julho de 2016

Na era digital nós ainda gostamos mesmo de muitas coisas de antigamente...

Na era da internet, televisão e das mídias sociais a gente ainda gosta mesmo é do rádio, dos livros e das cartas.
No dia de hoje estamos nostálgicos. Junto com duas novas integrantes que vieram visitar o nosso Blog pela primeira vez, aproveitamos para relembrar a história do Blog do Tear e muitas outras histórias.
Começamos relembrando as Rádio Novelas e fomos longe, fomos e voltamos até chegarmos nos dias de hoje. Lembramos também da primeira Blog Novela que se tem notícia, publicada pelo nosso Blog, “O Cego Jeremias”, de Nilton Lisboa.
Conversamos sobre como era bacana a época em que as pessoas escreviam cartas para se comunicar com a família, fazer declarações de amor ou quando as pessoas se juntavam ao redor do rádio para ouvir os programas. Quando a gente lia mais livros. Pensamos que nessa época a imaginação era muito mais estimulada porque como não tinha imagem a gente tinha que ficar pensando e imaginando as coisas.
No nosso grupo quase todo mundo teve experiências com cartas de amor e cartas familiares. Inclusive teve uma pessoa da nossa redação que escrevia duas cópias das cartas de amor, uma para a pessoa querida e outra de recordação. Lembramos dos programas de rádio em que era possível oferecer músicas para a pessoa amada como o da Rádio Cidade daqui de Campinas, “Momentos de Amor”.
Alguns de nós ainda hoje gostam muito de escrever e usam poesia e escrita como forma de desabafar, falar de seus sentimentos.
Surgiu de tudo mesmo, lembramos com saudades dos carros que faziam as “Loucuras de Amor” que era um tipo de serviço que as pessoas contratavam em ocasiões especiais para enviar mensagens de amor e carinho para quem queriam. Hoje em dia esse tipo de serviço continua existindo como de telemensagens.
Hoje vivemos na era digital, onde tudo está na palma da mão com a internet, redes sociais (como o facebook, o whatsapp etc), celulares, tablets entre outras coisas. A nossa impressão é que ficou mais fácil falar com as pessoas, em uma fração de segundo podemos falar com alguém do outro lado do planeta, lá no Japão. Mas, percebemos que apesar de termos encurtado as distâncias e facilitarmos mais a comunicação entre as pessoas as relações ficaram mais impessoais. Alguns de nós acham que as vezes as pessoas ficam mais conversando no celular do que com as pessoas ao seu lado. Mas outros de nós acham a tecnologia muito boa e entendem que o problema é a forma como as pessoas a usam. Até para paquerar ficou mais fácil...

Nossa conclusão: tem coisas que nunca ficam ultrapassadas e mesmo o que há de mais moderno precisa de atenção e sensibilidade porque senão perde seu sentido.