quarta-feira, 22 de novembro de 2017

E Se Fosse um Homem Branco?

Hoje o grupo do Blog do Tear discutiu o caso do ator Diogo Cintra, que foi agredido no Terminal D. Pedro II, na cidade de São Paulo. Na Semana da Consciência Negra (20 de Novembro), esse fato ocorre mostrando que ainda temos muito a fazer, como sociedade, para dar um basta ao racismo.

Após ser perseguido por agressores e assaltantes e pedir ajuda para os seguranças do Terminal, Diogo teve seu pedido negado e foi discriminado. Os detalhes da história você encontra nessa matéria:

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/video-mostra-jovem-negro-sendo-arrastado-por-agressores-sob-olhares-de-segurancas-de-terminal-em-sp.ghtml


Os integrantes do Blog do Tear ficaram indignados com o acontecido. Assim como Diogo diz nas entrevistas, os integrantes do grupo, que tem representação de negros e negras, pensam que Diogo não foi ajudado pelos seguranças por ser negro e por sua aparência. Ou seja, um caso de racismo.
Pensamos que se fosse um homem branco a história teria sido outra. Ninguém deve ser discriminado pela cor.

O que mais nos deixou mobilizados e indignados foi o fato de que Diogo não teve nem mesmo a chance de contar sua história. Ou seja, sua cor negra, sua aparência e o racismo estrutural do país já colocaram Diogo em uma posição de total descrédito. Diogo foi julgado por antecipação.

Alguns participantes negros contam de ocasiões em que foram vítimas de racismo ou sentiram que foram tratados de formas diferente, por sua cor.

Muitas vezes o racismo não se manifesta de maneira "expressa", com xingamentos ou violências verbais ou físicas. Contudo, essa forma de "racismo velado" é, talvez, ainda mais danosa e contundente. Uma pessoa é julgada como inferior, marginal ou desviante apenas por sua cor de pele e aparência. Isso é o que chamamos de Racismo Estrutural.

Deixamos abaixo um vídeo que mostra a diferença entre o tratamento de brancos e negros. Trata-se de uma pegadinha na qual um homem branco e um homem negro tentam abrir um carro alegando terem esquecido as chaves dentro.

https://www.youtube.com/watch?v=AQZPrpfKOkQ


Fechamos nossa publicação com uma frase deixada por um de nossos integrantes. Pensamos que essa frase evidencia que uma mesma cena pode ser interpretada de maneira muito diferente, apenas pela cor da pele. Isso é o racismo que combatemos.
"Branco correndo, é um atleta. Negro correndo é bandido".